a: arqfy beta

SaaS: site como um serviço. O que é isso?

16 ABR 2018

O processo comum de  contratação de um site é muito parecido com um projeto de arquitetura. O cliente lhe pede um orçamento, você então vai entender a demanda, dimensionar o projeto, definir algumas coisas mesmo que superficialmente, em alguns casos buscar referências pra entender melhor o que se deseja, negociar, convencer, e depois dessa etapa que já demanda um grande esforço e investimento de tempo, e até de certo trabalho de pesquisa e pré-dimensionamento, finalmente vocês chegam a um acordo e fecham o contrato!

Mas, é só aí que o trabalho começa de verdade… A partir desse ponto você vai efetivamente desenvolver o projeto, aprovação do cliente, detalhamentos, compatibilizações, obra, e todo o caminho que sabemos bem.

Da mesma forma acontece com o modelo convencional de contratação de sites. Pesquisa agência, reunião, orçamento, negociação, fecha contrato, começa o projeto, aprovação, reprovação, outra proposta, desenvolvimento, etc… Um caminho longo para as duas partes.

Só que um site não é uma obra 100% projetada antes, e que tem um fim definido. Um site é um software online, que habita um universo em constante evolução. Pense aí:

  • Quantas vezes o Instagram mudou nos últimos 2 anos?
  • Quantas vezes você recebe notificações de aplicativos que precisam ser atualizados?
  • E quantas vezes você atualizou um aplicativo e não percebeu nenhuma mudança?

Pois é… A grande maioria das pessoas ainda acha que um site é o layout da página inicial. Isso é a mesma coisa que você achar que um prédio é só a volumetria da fachada principal feita num 3D. Um site é um sistema complexo que envolve coisas bem parecidas com um prédio. Falaremos mais sobre isso em outro texto. E, além disso, um site é um software que demanda uma contínua adequação aos parâmetros de sistema web.

A todo momento o Google atualiza seu algoritmo, navegadores atualizam a maneira que lêem a codificação e exibem os sites, servidores permitem novas configurações, novos recursos de codificação são melhorados, e também muitas coisas são descontinuadas. Talvez um exemplo que muitos consigam perceber sejam os sites feitos em Flash, que tinham muitas animações. Muitos navegadores não exibem mais aplicações feitas em Flash. Então, um site que antes eram fantástico agora simplesmente não roda mais no seu computador. E isso acontece com muitos outros recursos.

A contraposição a esta maneira antiga de entender um site como uma obra que finaliza é o SaaS – software as a service. E que, para o Arqfy ArqSite chamamos de SaaS – site as a service. O site como um serviço contínuo

 

SaaS – site as a service. O site como um serviço contínuo

Software como serviço, do inglês Software as a service (SaaS), é uma modelo de uso de software em que o cliente não compra o software como quem compra um produto qualquer. Nesse modelo, o cliente “aluga” a plataforma, pagando não pela sua posse, mas pela sua utilização. É o modelo da Netflix, por exemplo. Ao invés de você comprar um aparelho e cada DVD do filme que deseja, você assina a plataforma e tem acesso a todos os filmes, recursos, atualizações, melhorias, etc.

Comparando com o modelo tradicional, temos muitas vantagens do modelo SaaS para os clientes:

  • Agilidade na contratação. Como é um serviço online já pronto, não existe todo o processo de negociação, orçamento, tempo de desenvolvimento
  • Sem problemas com manutenção. O cliente não tem que se preocupar em ter uma estrutura interna para dar manutenção no sistema, ou a cada demanda ter que orçar o serviço, negociar, e todo o processo de contratação
  • Atualizações constantes. Permite uma evolução gradual, implementando melhorias estruturais e novas funcionalidades com frequência
  • Baixo custo. É como um condomínio onde toda a comunidade divide os custos dos serviços
  • Equipe dedicada. Como é um serviço contínuo, o sistema está em permanente monitoramento e com equipe especializada trabalhando em todas as necessidades
  • Além do que se vê. Num modelo SaaS, boa parte do trabalho e preocupação é justamente com o que o cliente não vê. E é essa parte que normalmente é negligenciada em um modelo de venda como produto
  • Inteligência coletiva. No SaaS, o sistema é o resultado do feedback, interação e análise de toda uma comunidade. Então, você se beneficiará da experiência de todo um segmento

Bom, espero que esse texto tenha ajudado um pouco a explicar como pretendemos oferecer uma plataforma que é muito mais do que um site para escritórios de arquitetura e urbanismo.